“Não existe menopausa masculina”, diz o médico sobre as dificuldades para ter uma ereção

Ao contrário do que se veicula em diversos veículos de comunicação, não existe menopausa masculina, é o que garante a doutora Dolores Pardini, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional de São Paulo (SBEM-SP). Ela explica que sintomas como a dificuldade de ereção podem estar associados à queda do hormônio.

“Ao contrário das mulheres, nos homens não existe essa transição, o nome andropausa ou menopausa masculina está errado. Nas mulheres na menopausa, representa a parada da menstruação, nos homens não há pausa, não há nenhuma parada.

O que acontece no homem e com o avançar da idade e isso se percebe mais claramente a partir dos 60 anos, é que há uma queda no hormônio masculino. Essa queda começou desde os 40 anos, mas é muito lenta, alguns homens nem percebem ”, enfatiza.

Assim como a queda hormonal no corpo feminino ocorre com o tempo, o homem também merece atenção nesse aspecto. Sintomas como cansaço e dificuldade em obter uma ereção podem estar associados a uma queda hormonal no corpo masculino.

“Não existe menopausa masculina”

O médico explicou quando o homem deve começar a se preocupar com os hormônios e quais as diferenças entre a reposição hormonal feminina e a masculina.“Nas mulheres, a terapia hormonal deve começar no início dos sintomas, em média 80% a 90% das mulheres, isso começa por volta dos 50 anos.

Algumas mulheres começam mais cedo, outras mais tarde. Ela notará menstruação irregular, algumas ondas de calor, irritabilidade, alterações de humor, então ela já deve procurar ajuda. Serão feitas dosagens hormonais e comprovando a necessidade ou não de iniciar a reposição ”, explica a médica.

Quanto aos homens, Padini disse o momento ideal para procurar ajuda médica: “Quando ele percebe, geralmente é detectado pelo desânimo, cansaço fácil, muita perda de massa muscular, dificuldade em ter uma ereção, diminuição da libido. Muitas vezes o homem atribui isso a problemas financeiros, problemas de outra ordem e muitas vezes isso se deve à queda do hormônio masculino. Ele deve buscar ajuda e ser tratado ”, destaca.

A diminuição da testosterona é diferente do hipogonadismo, que tem mais a ver com as glândulas localizadas no cérebro, responsáveis ​​por controlar a produção de testosterona nos testículos.

“Tem homem que só tem diminuição da testosterona, que muitas vezes é simplesmente parte do processo de envelhecimento, não é uma queda que vai te dar algum sintoma que te faça procurar ajuda. Ao contrário do homem que tem hipogonadismo, ou seja, esse a queda é muito importante, gerando os sintomas que mencionei.

O homem deve periodicamente, principalmente a partir dos 60 anos, se notar cansaço muito fácil, desânimo, mau humor, associado a queixas na esfera sexual, deve procurar ajuda sem um dúvida, que não dá tempo de você parar com essa substituição, tanto para homens quanto para mulheres, desde que estejam sob acompanhamento médico ”, pondera Dolores Pardini.

As mulheres têm mais informações sobre a queda hormonal em relação aos homens, isso porque as mulheres em geral consultam com mais frequência o endocrinologista e o ginecologista, o que facilita o diagnóstico. O homem também pode se sentir coagido pela má funcionalidade de sua sexualidade.

Fatores como a vergonha de se expor e a necessidade de comprovar sua virilidade também podem impedir que os homens procurem profissionais como o urologista. Muitos deles preferem viver com uma qualidade de vida inferior a procurar ajuda médica. Os efeitos da queda do hormônio na prática são terrivelmente desconfortáveis ​​e estão além da disfunção erétil.

A Dra. Dolores acredita que os homens estão mal informados sobre o assunto, “As mulheres estão mais difundidas, as mulheres têm um impacto muito maior na menopausa, o risco cardiovascular aumenta, a qualidade de vida diminui muito.

Normalmente ela tem atendimento médico, o homem não, o homem geralmente não tem seu urologista, seu endocrinologista e a mídia não divulga tanto o atendimento aos homens, que são igualmente importantes ”, destaca.
Em qualquer caso, o homem deve consultar pelo menos periodicamente um urologista, médico responsável pelos órgãos reprodutivos masculinos e sistema urinário.

Outro profissional médico de extrema importância é o especialista em endocrinologia, pois fiscaliza as glândulas endócrinas, responsáveis ​​pela reprodução e liberação dos hormônios que controlam o bom funcionamento dos órgãos.

Em meio a tanta fragilidade física e psicológica, há boas notícias. A terapia de reposição hormonal promove melhor qualidade de vida nos indivíduos que a recebem. As diferenças de um tratamento bem-sucedido são comumente sentidas no corpo daqueles que receberam os hormônios.

leia também: Dormir bem ajuda na Ultrasonografia ajuda avaliar lesões na pele

“Os resultados têm impactos muito bons na qualidade de vida, desde que estejam sob supervisão e que a pessoa seja tratada adequadamente, deve-se ressaltar que a terapia hormonal tanto para mulheres quanto para homens é absolutamente individualizada, dependendo das queixas, faixa etária, uma história bem tirada, onde avaliam os riscos de cada paciente. Mas o resultado é muito satisfatório, por parte do médico e também por parte do paciente ”, finaliza.

123 Notícias

Outros artigos